Compartilhe:


FOTOS:
 
Compartilhe:
MARCELINHO NITERÓI
Marcelo da Silva Leandro
Nascimento:
25/12/1976
RG:
nº -992.688.80 - IFP
Natural:
Rio de Janeiro
Situação:
Morto
Crimes:
Morto

Matutos - pessoa que tem os contatos com os cartéis das vendas de drogas.
Facção:
Comando Vermelho
Função:
Matuto
Área de Atuação:
Mangueirinha, Juramento, Parque União, Nova Holanda, Mandela, Jacarezinho, Chatuba, Paraguai, Bolivia
Histórico:
Traficante é morto durante ação da polícia.

Operação realizada por: Policia Federal/RJ, BOPE e Policia Civil

O narco-traficante de drogas Marcelo da Silva Leandro, , vulgo Marcelinho Niterói, foi morto a tiros, na noite desta terça-feira, por policias na Favela Parque União, que faz parte do Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio.
Em uma operação conjunta entre de policiais da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Polícia Federal do Rio de Janeiro , BOPE e policiais civis do Serviço Aeropolicial da Polícia Civil , surpreenderam o traficante na Rua Ari Leão, trajando bermuda e camiseta. O bandido chegou a ser levado para o Hospital Geral de Bonsucesso, mas não resistiu aos ferimentos.

As aeronaves sobrevoaram o local por cerca de cinco minutos. Houve intensa troca de tiros até que o traficante fosse baleado. Outros dois traficantes também ficaram feridos durante a ação.

O Disque-Denúncia oferecia uma recompensa de R$ 2 mil reais por informações levassem a sua captura. Desde janeiro de 2011, o banco de dados do Disque-Denúncia recebeu 13 informações sobre o possível paradeiro do braço-direito do traficante Fernandinho Beira-Mar.

Histórico:

O traficante Marcelinho da Silva Leandro, o Marcelinho Niterói, apontado como o braço-direito do narcotraficante Fernandinho Beira-Mar, que o chamava de “filho loiro” é o atual chefe do tráfico de maconha na fronteira do Paraguai com Mato Grosso do Sul, e comanda um "negócio" cuja movimentação é estimada em milhões de reais por mês.

No país vizinho, um consórcio de traficantes cariocas e paulistas domina 70% das áreas de plantio de maconha em Capitán Bado e Pedro Juan Caballero, cidades na fronteira com o Mato Grosso do Sul. Um negócio milionário que tem à frente o traficante. O domínio da região por traficantes brasileiros começou em 2001, após os assassinatos de Ramón e Mauro, filhos de João Morel, então considerado o rei da maconha.

Investigações da Senad e de promotores da Fiscalía de Amambay – estado onde estão localizadas as cidades de Pedro Juan Caballero e Capitán Bado – apontam Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, como mandante dos crimes. A partir das execuções dos chefes da família Morel, a facção de Beira-Mar ampliou o domínio territorial de Capitán Bado a Pedro Juan Caballero. Investigações conjuntas da Polícia Federal e da Senad indicam que com a prisão de Beira-Mar, hoje na Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), Marcelinho Niterói é de uma família de classe média de Icaraí.

Além do plantio, ele também coordena as rotas de transporte da droga para abastecer os pontos de venda da facção em todo Rio de Janeiro. Marcelinho Niterói comandava este esquema de dentro do Complexo do Alemão. Depois que as Unidades de Policia Pacificadoras – UPP – passaram a controlar todo complexo, o traficante , .que é foragido da polícia do Rio de Janeiro desde 2005, conseguiu fugir, e segundo informações estaria se escondendo em diversos redutos controlados pela facção Comando Vermelho. (Atualizado em 01/11/11)

Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
TJ/RJ
0036518-82.2003.8.19.0000(2003.076.00623)
18/07/2003
2ª Vara Criminal/Capital
0000838-31.2008.8.9.0042
01/02/2008
Cartório da 1ª Vara Criminal/Caxias
2000.021.022154-9
27/06/2000
1ª Vara Criminal/Caxias
27.437
22/03/2000
1