Compartilhe:



FOTOS:
 
Compartilhe:
Danilo Bocão
Danilo Soares dos Santos
Nascimento:
05/01/1988
RG:
nº - 235.212.701 - IFP
Natural:
São Gonçalo
Situação:
Capturado
Crimes:
Capturado

Homicídios e Tráfico de Drogas

Homicídio Qualificado (Art. 121, § 2º - CP); Lei dos Crimes Hediondos (Lei 8.072/90); Prisão Preventiva
Facção:
Comando Vermelho
Função:
Chefe do Tráfico
Área de Atuação:
Morro do Preventório
Histórico:
Prisão realizada por Batalhão de Choque da PM (BPChq) - 26/06/2012

O traficante Danilo Soares dos Santos, o Bocão, foi preso nesta quarta-feira por policiais do Batalhão de Choque da PM (BPChq) em Niterói, na Região Metropolitana.

Ele é apontado pela polícia como chefe do tráfico de drogas no Morro do Preventório, em Charitas. Bocão foi preso na Rua Noronha Torrezão, no Cubango, próximo ao Morro do Serrão. Contra o suspeito há dois mandados de prisão por tráfico e homicídio. Ele foi levado para a 77ª DP (Icaraí), onde o caso foi registrado.

Histórico:

“Danilo Soares dos Santos” vulgo “Bocão”, aliado a facção Comando Vermelho – CV, e chefe do tráfico de drogas no Morro do Preventório, é o acusado de cometer o homicídio de Thaíla de Oliveira Braga dos Santos, de 22 anos, que estava no sétimo mês de gestação, no Morro do Preventório, em Charitas, Niterói.

Em uma espécie de tribunal do tráfico, ela foi executada devido ao suposto desaparecimento de armas e drogas e por ser segundo as investigações, sobrinha de um policial militar. Thaila foi julgada e sentenciada à morte por traficantes da comunidade, no dia 14 de junho de 2011. De acordo com as investigações, Thaila foi seqüestrada no início da noite do 07/11/2011, por três homens, na localidade conhecida como Meu Cantinho, e levada para o alto do morro, onde o traficante vulgo Tereco liderou a ação, após receber determinação de vulgo “Bocão”, para execução da gestante.

Em uma pedra, na localidade conhecida como Risca Foice, Thaila teria sido assassinada com vários tiros de pistola e teve seu corpo jogado num barranco. De acordo com a polícia, o Morro do Preventório teria se tornado um dos refúgios de criminosos do Morro da Mangueira, após a implantação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na comunidade da Zona Norte do Rio.

Qualquer informação que leve a sua captura, basta entrar em contato com o Disque-Denúncia, através do telefone (2253-1177), onde o anonimato é garantido e oferece uma recompensa no valor de R$ 1 mil.

(Atualizado em 25/11/2011)

1034264-35.2011.8.19.0002

Tipo do Movimento:
Publicação de Edital
Descrição:
EDITAL DE CITAÇÃO E NOTIFICAÇÃO (Com o prazo de 15 dias) O MM. Juiz de Direito, Dr.(a) Peterson Barroso Simao - Juiz Titular do Cartório da 3ª Vara Criminal da Comarca de Niterói, Estado do Rio de Janeiro, FAZ SABER que o Promotor de Justiça Titular deste juízo, denunciou o nacional Gilberto da Conceição Pinna - Data de Nascimento: 13/07/1987 Idade: 24 e Danilo Soares dos Santos - Alcunha: Bocao - Data de Nascimento: 05/01/1988 Idade: 23 - acusado nos autos de nº 1034264-35.2011.8.19.0002, oriundo do Inquérito, nº 1197/11 de 15/07/2011, da 79ª Delegacia Policial, como incurso no(a) Ação Penal de Competência do Júri - Homicídio Qualificado (Art. 121, § 2º - CP); Lei dos Crimes Hediondos (Lei 8.072/90); Prisão Preventiva, . Como não tenha sido possível citá-lo(a) e nem notificá-lo(a) pessoalmente, por se encontrar em local incerto e não sabido, pelo presente edital, cita e notifica o(a) referido(a) acusado(a) para responder aos termos da ação penal, por escrito, no prazo de dez (10) dias onde poderá arguir preliminares e alegar tudo o que interessa à sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas. Não apresentada a resposta no prazo legal, ou se o(a) acusado(a) citado(a), não constituir defensor, o juiz nomeará defensor público para oferecê-la. O prazo começará a fluir a partir do comparecimento pessoal do acusado(a) ou do defensor constituído (art. 396, CPP). O processo seguirá sem a presença do(a) acusado(a) que citado(a), deixar de comparecer sem motivos justificados (art. 367 do CPP). E para que chegue ao conhecimento de todos e do referido acusado(a), foi expedido o presente edital. Niterói, 19 de setembro de 2011. Eu, ______________ Sandra Cristina Mello Kobbaz - Escrivão - Matr. 01/6702, o subscrevo. Peterson Barroso Simao - Juiz Titular

1034264-35.2011.8.19.0002

Tipo do Movimento:
Decisão
Descrição: Mandado de Prisão
1. Recebo a denúncia. 2. Citem-se os acusados para responder aos termos da acusação, por escrito, no prazo de 10 (dez) dias, a contar do efetivo cumprimento do mandado, nos termos do art. 406 do CPP, com a nova redação da Lei 11.689/08, e intimem-se para informar se possuem Advogado ou se desejam ser defendidos pela Defensoria Pública, advertindo-se de que o processo seguirá sem a presença do acusado que, citado, deixar de comparecer sem motivo justificado, sendo-lhe decretada a revelia na forma do art. 367 do CPP. 3. Atenda-se, com urgência, aos requerimentos formulados pelo Ministério Público. 4. A providência judicial necessária e cautelar a ser adotada no presente caso é o decreto de prisão preventiva dos acusados, com amparo no art. 312 do CPP. Constata-se do exame das peças juntadas, não haver dúvida quanto à existência do fato, especialmente pelo AECD, fls. 109/110. A autoria, da mesma forma, encontra suporte de demonstração pelas declarações das testemunhas já ouvidas em sede inquisitorial, especialmente pelo depoimento da irmã da vítima, fls. 14/15, a qual reconhece um dos acusados como sendo a pessoa que foi procurar a vitima em sua casa. A imputação contra os acusados discorre sobre prática, em tese, de homicídio qualificado consumado, tendo como vítima TAYLA DE OLIVEIRA BRAGA DOS SNTOS. A necessidade da tutela cautelar se faz sentir não só com o intuito de impedir a reiteração de atos criminosos, mas também para acautelar o meio social da ação delituosa em questão. A periculosidade dos agentes ficou evidenciada pelas circunstâncias em que o fato foi praticado. Tal periculosidade correspondente a um desajustamento social de suma gravidade, qual seja, a execução de uma jovem grávida de sete meses, em vista de a mesma ter descoberto o esconderijo de armas e drogas dos traficantes. Registre-se, outrossim, que um dos denunciados seria namorado da vítima, podendo, aliás, ser o pai do feto. Por outro lado, a custódia dos acusados também é necessária para assegurar a regular efetivação da instrução probatória, pois fatos desta natureza só são completamente elucidados quando o acusado não interfere ou influencia as testemunhas. Imperiosa, neste caso concreto, a medida cautelar para a eventual proteção de testemunhas que continuariam residindo no local dos fatos. Considera-se ainda a importância da segregação para garantir a aplicação da lei penal, pois os acusados soltos poderiam ganhar rumo ignorado, comprometendo o texto legal e sua aplicabilidade. Motivo que ganha força em vista de que os acusados desapareceram logo depois dos fatos, permanecendo em local incerto e não sabido até a presente data. Além do que, tem-se a notícia do envolvimento dos denunciados no tráfico de drogas da região. Isto posto, observadas as diretrizes do CPP, inclusive com a previsão dos art. 312 e 313, presentes o fummus boni iuris e o periculum in mora, DECRETO A PRISÃO PREVENTIVA GILBERTO DA CONCEIÇÃO PINNA e DANILO SOARES DOS SANTOS, já qualificados, ordem essa a ser executada com as cautelas de estilo, sempre dentro da legalidade. Expeçam-se mandados de prisão. Ciência ao Ministério Público e, ad cautelam, à Defensoria Pública. Fonte Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro 12/08/2011


(Atualizado em 26/06/2012)

Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
3ª Vara Criminal/Niterói
1034264-35.2011.8.19.0002
09/08/2011
1