Compartilhe:



FOTOS:
 
Compartilhe:
DVD
David dos Santos Pereira
Recompensa:
R$ 1 Mil
Nascimento:
20/05/1987
RG:
RG Nº. (I.F.P.) 201.157.251
Natural:
Rio de Janeiro - RJ
Situação:
Procurado
Crimes:
Tráfico de Drogas

1 - Tráfico de Drogas e Condutas Afins (Art. 33 - Lei 11.343/06) E Associação para a Produção e Tráfico e Condutas Afins (Art. 35 - Lei 11.343/06) E Corrupção ativa (Art. 333 - CP)
Facção:
Comando Vermelho - CV
Função:
Chefe do Trafico de Drogas
Área de Atuação:
Maringá, Saco, Lagoa e Fonte, em Magé - RJ
Histórico:
David dos Santos Pereira, o DVD, é ligado a facção Comando Vermelho e chefia o tráfico de drogas que em varias localidades do Municipio de Magé.

Em dezembro de 20165, O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar (CI/PMERJ) deflagraram a operação Pinóquio, na manhã desta quarta-feira (28/12), com o objetivo de prender 14 pessoas denunciadas por tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção ativa. Também foi requerida pelo GAECO a prisão preventiva dos denunciados e o cumprimento de 18 mandados de busca e apreensão, deferidos pela Vara Criminal de Magé.

De acordo com a denúncia, os crimes foram praticados nas comunidades conhecidas como Maringá, Saco, Lagoa e Fonte, em Magé. No documento encaminhado à Justiça, David dos Santos Pereira, vulgo DVD, é apontado como o chefe da quadrilha. Wellington Gomes da Silva, vulgo Nego ou Niel, teria a função de gerente geral das comunidades, responsável pela contabilidade e logística, recebendo os carregamentos de drogas dos municípios do Rio de Janeiro e Niterói. O complexo da Penha e as comunidade Nova Holanda e do Dick, em Duque de Caxias foram alguns dos locais identificados na investigação de onde vinham o material entorpecente.

Ainda segundo a denúncia, durante um trabalho de aproximação entre a PM e as comunidades, iniciado em abril após o incêndio de cerca de 10 ônibus em Magé, por meio da distribuição de panfletos para denúncias, um casal procurou pessoalmente os policiais militares com o suposto intuito de fornecer informações sobre o tráfico de drogas no local. O casal entrou em contato e o denunciado identificado como Thiago, vulgo "TH", ao invés de passar tais informações ofereceu aos policiais um "acordo" por meio de um pagamento de propina semanal para que o tráfico não fosse reprimido. Esses policiais procuraram o Ministério Público e, mediante autorização judicial, passaram a atuar como "infiltrados", recebendo a propina semanal paga pelos traficantes a fim de identifica-los. Os valores variavam de R$ 1.500 a cerca de R$ 15 mil, de acordo com o fluxo do comércio de drogas de cada comunidade.

A denúncia aponta, ainda, que o domínio das comunidades permitiu ao tráfico negociar com políticos da região um “pedágio” para que candidatos pudessem fazer campanha nos locais. Políticos locais teriam pago de R$ 2 mil a R $ 5 mil para realizarem passeatas na comunidade da Lagoa, com autorização do tráfico, descreve o documento.
Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
Comarca de Magé/Vara Criminal
5552-92.2016.8.19.0029.0012
16/12/2016
1